Clínica de Hardware

Instalação, manutenção, reparação e assistência técnica a Hardware e Software

Últimos assuntos

» Ponto G em rato de computador
Sab 13 Fev 2010 - 1:08 por Admin

» Ponto G em rato de computador
Sab 13 Fev 2010 - 1:08 por Admin

» Panda Security's weekly report on viruses and intruders
Sex 22 Jan 2010 - 15:11 por Admin

» Estatísticas - Top 5 Browsers em Portugal
Qua 13 Jan 2010 - 17:36 por Admin

» Informe semanal de Panda Security sobre virus e intrusos
Qui 31 Dez 2009 - 16:15 por Admin

» Proteja o computador de prendas indesejadas
Dom 20 Dez 2009 - 2:54 por Admin

» Upgrades a duas máquinas de 32 e 64 bits
Sab 28 Nov 2009 - 2:16 por Admin

» Actualize o seu PC para Windows 7
Qua 18 Nov 2009 - 17:33 por Admin

» Firefox faz 5 anos
Seg 9 Nov 2009 - 17:31 por Admin

Navegação

Novembro 2017

SegTerQuaQuiSexSabDom
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 

Top dos mais postadores

Estatísticas

Os nossos membros postaram um total de 92 mensagens em 91 assuntos

Temos 1 usuário registrado

O último usuário registrado atende pelo nome de Admin

Quem está conectado

2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Nenhum


[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 9 em Qui 10 Jun 2010 - 0:05

Conectar-se

Esqueci minha senha


    Net nasceu livre há 40 anos

    Compartilhe
    avatar
    Admin
    Admin
    Admin

    Mensagens : 93
    Data de inscrição : 02/02/2009
    Localização : Estremadura

    Net nasceu livre há 40 anos

    Mensagem por Admin em Sab 19 Set 2009 - 23:08

    A Internet faz hoje 40 anos mas há barreiras que ameaçam o seu crescimento. (Veja o vídeo sobre a história da Internet no final do artigo)


    netnasceu40anosVídeos idiotas não estariam certamente no pensamento de Leonard Kleinrock e da sua equipa da Universidade da Califónia em Los Angeles, Estados Unidos (UCLA) quando há 40 anos começaram a fazer testes para aquilo que viria ser a Internet. E também não estariam seguramente as redes sociais nem a maioria das aplicações de fácil utilização que atraem mais de mil milhões de pessoas online.


    O que os investigadores procuravam era criar uma rede aberta para uma livre troca de informações, uma abertura que acabou por estimular a inovação que mais tarde geraria coisas como o YouTube, o Facebook e a World Wide Web.


    Hoje continua a haver muito espaço para a inovação, contudo a progressão da abertura pode estar a esgotar-se.


    Embora a Internet esteja mais amplamente disponível e mais rápida do que nunca, barreiras artificiais ameaçam restringir o seu crescimento.


    Chamem-lhe uma crise da meia-idade. Há que deitar culpas a uma série de factores. Os ataques de spam (mensagens não solicitadas) e a pirataria obrigam os operadores das redes a construir sistemas de segurança. Os regimes autoritários bloqueiam o acesso a muitos sites e serviços dentro das suas fronteiras. E questões de ordem comercial geram políticas que podem desencorajar rivais, particularmente em serviços móveis como o iPhone.


    "Há mais liberdade para o típico utilizador da Internet jogar, comunicar, fazer compras - mais oportunidades do que nunca antes", diz


    Jonathan Zittrain, professor de Direito e co-fundador do Berkman Center for Internet & Society de Harvard. "Entre aquilo que nos pode preocupar, há tendências de mais longo prazo que estão a tornar muito mais possível (para a informação) ser controlada".


    Em 2 de Setembro de 1969, poucos deram atenção quando 20 pessoas se juntaram no laboratório de Kleinrock, na UCLA, para observarem dois volumosos computadores a transferir dados através de um cabo cinzento de 4,5 metros.


    Foi assim o começo da incipiente rede Arpanet.


    O Research Institute de Stanford juntou-se ao projecto um mês depois, a Universidade da Califónia em Santa Barbara e a Universidade do Utah no fim desse ano.


    A década de 1970 trouxe o e-mail e os protocolos de comunicações TCP/IP, que permitiram que se conectassem múltiplas redes para formarem a Internet. A década de 80 viu nascer um sistema de endereçamento com sufixos como ".com" e ".org", hoje largamente utilizados.


    Web ressuscita Internet


    Contudo, a Internet só se tornou numa palavra comum na década de 90, depois de um físico britânico, Tim Berners-Lee, ter inventado a Web, um subsistema da Internet que torna mais fácil ligar recursos entre diversas localizações.


    Entretanto, fornecedores de serviços como a America Online ligaram pela primeira vez milhões de pessoas.


    Esse anonimato inicial ajudou a Internet a desabrochar, livre de constrangimentos administrativos ou comerciais que podiam desencorajar ou mesmo proibir as experiências.


    "Durante a maior parte da história da Internet, ninguém ouviu falar dela", diz Zittrain. "Isso deu-lhe tempo para se pôr à prova funcionalmente e mesmo para lançar raízes".


    Até o governo dos Estados Unidos, que financiou grande parte do desenvolvimento inicial da Internet como um projecto militar, o deixou em paz durante largo tempo, permitindo que os seus engenheiros promovessem o seu ideal de uma rede aberta.


    Quando Berners-Lee, que trabalhava no Centro Europeu de Investigação Nuclear, em Genebra, Suíça, inventou a Web em 1990, pôde disponibilizá-la para o mundo sem ter de pedir autorização ou de enfrentar os sistemas de segurança que hoje tratam como suspeitos certos tipos de tráfego da Internet.


    Mesmo o fluxo livre de pornografia levou a inovações nos sistemas de pagamento por cartão de crédito na Internet, no vídeo online e noutras tecnologias utilizadas por toda a gente.


    "Permitam esse acesso aberto e um milhar de flores desabrocharão", disse Kleinrock, professor na UCLA desde 1963. "Uma coisa sobre a Internet que podemos prever é que iremos ficar surpreendidos por aplicações que não esperávamos".


    Lutas pelo domínio da Net


    Esse idealismo está a desaparecer. Uma disputa em curso entre a Google e a Apple reforça essa barreira. Tal como outros dispositivos móveis que se ligam à Internet, o iPhone limita o software que pode correr nele. Só aplicações aprovadas pela Apple são autorizadas. A Apple bloqueou recentemente a aplicação de comunicações Google Voice, dizendo que anula a interface integrada do iPhone. Contudo, os cépticos sugerem que essa medida limita os serviços de telefone potencialmente competitivos da Google.


    Nos computadores de secretária, alguns fornecedores de acesso à Internet levantaram barreiras para impedir serviços de partilha de ficheiros. A norte-americana Comcast, por exemplo, foi repreendida pela Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos no ano passado por bloquear ou atrasar algumas formas de partilha de ficheiros. Acabou por concordar e desistir desse procedimento.


    O caso deu azo a numerosos apelos ao governo para que fosse exigida a "neutralidade da net", o que na essência significa que um fornecedor de acessos não pode privilegiar certas formas de circulação de informação em relação a outras. Mas isso não seria uma nova regra mas sim um regresso aos princípios que guiaram a rede que Kleinrock e os seus colegas começaram a construir há 40 anos.


    Limites inadmissíveis


    Mesmo que os fornecedores de serviços não interfiram activamente na circulação de informação, podem desencorajar o uso da Internet sem restrições por parte dos seus clientes através de quotas máximas mensais de transferência de dados. Alguns fornecedores de acessos estão a experimentar baixar drasticamente os limites para ver online alguns filmes com qualidade DVD.


    "É assim menos provável que se queira experimentar coisas novas", diz Vincent Cerf, que juntamente com Bob Khan desenvolveu o protocolo TCP/IP, o suporte da rede. "Ninguém quer receber no fim do mês uma factura inesperada".


    Dave Farber, antigo técnico chefe da Comissão de Comunicações Federal dos EUA, disse que os sistemas são muito mais poderosos quando tanto os programadores como os consumidores se podem pôr a experimentar coisas.


    Farber desbloqueou um iPhone mais velho utilizando uma técnica de anulação da garantia conhecida como "jail-breaking", permitindo que o telefone corra software que a Apple não aprovou. Ao fazê-lo, conseguiu ver um vídeo antes da Apple o suportar na versão mais recente do iPhone, e modificou a apresentação do ecrã quando o telemóvel estava inactivo para lhe dar um resumo da agenda e dos e-mails.


    Quando a Apple insiste que as suas revisões são necessárias para proteger as crianças e a privacidade dos consumidores e evitar a degradação do desempenho do telefone, outros fornecedores de tentam manter o tipo de abertura existente nos computadores de secretária. O sistema Android da Google, por exemplo, permite que qualquer pessoa escreva e distribua software sem autorização.


    Contudo, mesmo nos computadores, outras barreiras estão a erguer-se.


    Steve Crocker, pioneiro da Internet que agora chefia a Shinkuro, uma jovem empresa muito promissora, diz que a sua empresa teve grandes dificuldades na construção de tecnologias que ajude as pessoas de diferentes empresas a colaborar por causa dos sistemas de segurança, que existem por todo o lado na Internet. Recorde-se que os sistemas de segurança são concebidos para bloquear ligações suspeitas, tornando difícil, se não impossível, a interacção directa entre utilizadores.


    Claro que ninguém está a dizer que sejam removidas todas as barreiras. Os sistemas de segurança e os filtros de spam tornaram-se cruciais à medida que a Internet crescia e atraía comportamentos maliciosos, tal como os semáforos tiveram de ser colocados com o aumento do trânsito nas estradas. Remover essas barreiras podia criar problemas ainda maiores.


    E muitas barreiras ao longo da história acabaram por cair - muitas vezes sob pressão. Em tempos, a América Online (AOL), o maior fornecedor de acesso à Internet nos EUA, ficou tristemente famosa por desencorajar os utilizares a aventurarem-se fora do seu condomínio fechado para explorar a Web. A empresa abriu gradualmente as portas quando os seus assinantes começaram a queixar-se e a fugir. Actualmente, a empresa está a reconstruir a sua actividade com base na Internet aberta.


    O que os mais destacados técnicos da Internet estão a tentar evitar são todas as barreiras que forem tão opressivas que esmaguem ideias emergentes antes de estas se poderem afirmar.


    Já há provas de controlos nos locais de trabalho e de fornecedores de serviços que atrasam o processo de partilha de informação e as ferramentas de colaboração. O vídeo pode ser o próximo se os clientes renunciarem a clips mais longos e de melhor qualidade com receio de incorrer em pagamentos extra de largura de banda. Do mesmo modo, as jovens empresas promissoras poderão nunca vir a ter oportunidade de chegar aos utilizadores se os gatekeepers móveis não os permitirem.


    Se as barreiras impedirem que estas inovações cheguem às mãos dos consumidores, podemos nunca chegar a saber que outras coisas vamos perdendo ao longo do caminho.



    [youtube=http://www.youtube.com/watch?v=yyY_392Tn7Q&feature=player_embedded]

    Fonte: Jornal Expresso on-line
    Anick Jesdanun, Associated Press (Tradução de Aida Macedo)
    13:30 Quarta-feira, 2 de Set de 2009

      Data/hora atual: Qui 23 Nov 2017 - 5:09